domingo , 19 agosto 2018
Início / CAPA / Cristolândia faz oposição à cracolândia

Cristolândia faz oposição à cracolândia

Programa atende moradores de rua de Curitiba dependentes de drogas

 

Da Redação Bem Paraná

Ana Ehlert

 

 

Pessoas em situação de rua, usuários de drogas, principalmente de crack, podem contar com mais uma casa de apoio na luta contra o vício. Em maio, a Primeira Igreja Batista de Curitiba, inaugurou o programa Cristolândia Paraná voltado à recuperação de dependentes químicos em situação de rua, neste primeiro momento. O espaço funciona em uma chácara em Mandirituba, município da Região Metropolitana de Curitiba.

Inaugurado na primeira quinzena de maio, o Cristolândia já abriga 6 homens mas, para o próximo ano, pretende criar um espaço para atender também a mulheres toxicodependentes. Além disso, um outro espaço já está em obras para ampliar a capacidade de atendimento de 6 para 36 pessoas até o final deste ano. No futuro, a meta é atender a todos aqueles que estão em situação de drogradição química e querem se ver livres do vício.
A criação do espaço foi em comemoração aos 104 anos da Primeira Igreja Batista de Curitiba (PIB). A ideia é trabalhar permanentemente na recuperação e assistência a dependentes químicos e codependentes, principalmente viciados em crack, e atuar na prevenção ao uso de drogas.


O nome Cristolândia faz alusão à cracolândia, local onde os toxicodependentes de crack costumam fazer o uso da droga. Em Curitiba, assim como em outras grandes cidades, a maioria das pessoas em situação de rua consome drogas, e o crack é uma das principais. No Paraná, segundo o mapa do crack, estudo da Confederação Nacional de Municípios, 93 cidades estão em situação de alerta, o que justifica a importância de iniciativas como esta da PIB.
Para o coordenador da Cristolândia Paraná, pastor Daniel Eiras, as igrejas precisam realizar mais ações que beneficiem às comunidades em situação de vulnerabilidade. “Não podemos deixar na mão dos governos, apenas. Como cristãos, temos o compromisso de ajudar o próximo, principalmente aquele que não tem mais a quem recorrer”, afirma.
Em São Paulo o programa já existe há dez anos, mas a ideia foi se espalhando pelo país e hoje está presente no Rio de Janeiro, Espírito Santo, Minas Gerais, Pernambuco, Bahia, Distrito Federal, e agora no Paraná. Mais informações acesse o www.pibcuritiba.org.br/cristolandiaparana.

Projeto segue etapas, desde a abordagem até a ‘república’

A proposta do programa prevê ao atendimento do toxicodependente em quatro etapas, sendo a primeira a chamada “busca ativa”. “Nesta etapa percorremos as cracolândias, criamos vínculos com os dependentes e falamos do projeto. A ideia é gerar confiança e mostrar que é possível recomeçar a vida sem drogas e com perspectivas positivas para o futuro”, explica o líder das buscas Valdir Diniz, que atualmente é pastor, já trabalhou na Cristolândia do Rio de Janeiro e também já esteve no mundo das drogas no passado.
A segunda etapa é a “acolhida”, quando o dependente receberá alimentação saudável, atendimento médico, higienização pessoal, roupas, terá guarda de seus pertences, avaliação multidisciplinar e suporte para acesso a documentos.
Só depois, eles são encaminhados à chácara Cristolândia propriamente dito, onde serão integrados ao Centro de Formação Cristã. “Todas as etapas são importantes, mas é nesta que o dependente receberá cuidados com sua saúde física e espiritual, trabalhando na construção de novos projetos de vida. Além disso, ele também receberá capacitações e será preparado para sua reinserção no mercado de trabalho”, explica Eiras.
Na chácara, o acolhido poderá ficar entre seis e nove meses e depois passará para a quarta etapa, chamada de “república”. Neste momento, o ex-dependente ficará em uma moradia com equipe para acompanhamento psicossocial e será encaminhamento para outros serviços, programas e benefícios da rede socioassistencial e das demais políticas públicas. O prazo para permanência na república é de até 12 meses.


Segundo o pastor Paschoal Piragine Junior, presidente da PIB Curitiba, todo o processo, que pode durar até dois anos, tem como objetivo “transformar, por meio de cuidado, carinho e da evangelização, a vida das pessoas que se deixarem ser auxiliadas. Queremos ajudar a sociedade no combate ao uso do crack, droga que tornou o Brasil o maior mercado consumidor deste entorpecente”, conclui.
Em paralelo ao cuidado com quem já está escravizado nas drogas, a Cristolândia Paraná vai trabalhar fortemente na prevenção. Neste primeiro momento 30 locais estratégicos receberão voluntários, em parceria com Igrejas Batistas e de outras denominações, para impactar crianças, adolescentes e jovens no propósito de que façam escolhas saudáveis para sua vida.

Sobre Nilton Saciotti

Nilton Saciotti é publicitário e jornalista (MTB – 04871) passou por agências PA Publicidade (Grupo Pão de Açúcar), Master Comunicação e Arvore Sul. Em 1996 especializou no jornalismo automotivo com programas de TV nas afiliadas do SBT, Record e Rede Mercosul no Paraná e em 2017 completou 850 páginas publicadas sobre carros durante 15 anos no Jornal Bem Paraná (Ex Jornal do Estado) em Curitiba.

Além disso, verifique

Nova geração do Porsche Cayenne chega ao Brasil

   A Porsche Brasil apresenta, entre os dias 14 e 15 de agosto, a terceira …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

code

*